Páginas

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

A todos um santo e feliz Natal / A todos una santa y feliz Navidad


La Adoración de los Pastores (Francisco de Zurbarán)

   LAS PAJAS DEL PESEBRE

[Lope de Vega]

      Las pajas del pesebre,
        Niño de Belén,
        hoy son flores y rosas,
        mañana serán hiel.


        Lloráis entre las pajas
        del frío que tenéis,
        hermoso Niño mío,
        y del calor también.


        Dormid, Cordero santo;
        mi vida, no lloréis;
        que, si os escucha el lobo,
        vendrá por Vos, mi bien.


        Dormid entre las pajas
        que, aunque frías las veis,
        hoy son flores y rosas,
        mañana serán hiel.


        Las que para abrigaros
        tan blandas hoy se ven
        serán mañana espinas
        en corona crüel.


        Mas no quiero deciros,
        aunque Vos lo sabéis,
        palabras de pesar
        en días de placer;


        que, aunque tan grandes deudas
        en pajas las cobréis,
        hoy son flores y rosas,
        mañana serán hiel.


        Dejad el tierno llanto,
        divino Emanüel,
        que perlas entre pajas
        se pierden sin por qué.


        No piense vuestra Madre
        que ya Jerusalén
        previene sus dolores
        y llora con José;


       que, aunque pajas no sean
       corona para rey,
       hoy son flores y rosas,
       mañana serán hiel.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Bach Psalm 51, BWV 1083, Transcription of Stabat Mater by Pergolesi


Johann Sebastian Bach Psalm 51, BWV 1083, 
Transcription of Stabat Mater by Giovanni Battista Pergolesi

I Barocchisti conducted by Diego Fasolis


Tilge, Höchster, meine Sünden (Cancel, highest, my sins), BWV 1083, is a cantata by Johann Sebastian Bach. The music is based on the Stabat Mater (1736) by Giovanni Battista Pergolesi. Bach's work of the 1740s is classed as a transcription or reworking.The fact that it now has its own BWV number is the result of Bach having added an additional harmonic line to the music.

Pergolesi - Stabat Mater

Destaque-se a M. Galoyan (soprano). 

Vivaldi - Gloria

Franz Schubert - Messe C-Dur

Franz Schubert - Messe G-Dur

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Irena Josifoska , Kamerni orkestar Vojvodine - Haydn - Cello Concerto No 2 in D major - mov. 3

Irena Josifoska , Kamerni orkestar Vojvodine - Haydn - Cello Concerto No 2 in D major - mov. 2

Irena Josifoska , Kamerni orkestar Vojvodine - Haydn - Cello Concerto No 2 in D major - mov. 1

Estupendo! Os dois outros movimentos publicam-se em seguida.


Paganini: Variations on one string on a theme "Moses", Irena Josifoska


Não me agrada a música como um todo, uma simples peça de bravura, mas publico-o para mostrar que, neste caso, como por exemplo no caso maior de Menuhin, a criança-prodígio se transformou de fato numa grande instrumentista.


G. Fauré: "Élegie", Irena Josifoska - cello

domingo, 13 de dezembro de 2015

F Mendelssohn, Lied ohne worte, Izvodjac: Irena Josifoska

G. Fauré: Élegie, Irena Josifoska

Bach Brandenburg Concerto No.5 - Gould - Mishakoff - Tipton - Detroit Symphony - Paray - 1960

Outra pequena mostra da altura da arte de Glenn Gould

Uma pequena mostra da altura da arte de Glenn Gould

A "Suma Gramatical da Língua Portuguesa" continua com desconto na É Realizações (R$ 39,95)


http://www.erealizacoes.com.br/busca?palavra=suma%20gramatical

terça-feira, 27 de outubro de 2015

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Francois Couperin - Office des Tenebres, Lesne

L'oeuvre d'orgue Louis Couperin - Complete organ works of Louis Couperin

André Campra: Exaudiat te Dominus | Les Arts Florissants

Rameau: Deus noster refugium | Les Arts Florissants


Lully: Te Deum, for double chorus & orchestra | Les Arts Florissants


C. N.

Como todos os compositores barrocos, os franceses compuseram boa música religiosa e boa música profana, mas também – com a honrosíssima exceção de Bach – música profana sensual e óperas pagãs. Entre os franceses, Charpentier e Delalande eram, sem dúvida, espíritos mais religiosos que Lully e Rameau, e que Couperin e Campra. Mas mesmo Lully e Rameau, os menos religiosos deles, compuseram boa música religiosa. Continuemos, pois, a acompanhar os nossos compositores franceses.

Em tempo: ao fim da série sobre os barrocos franceses, publicarei um artigo mais longo sobre a questão instrumentos modernos versus instrumentos “autênticos”.


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Delalande - Grands Motets - Les Arts Florissants


Os motetos de Delalande (1657-1726) constituem, a nosso ver, o cume do barroco francês, e rivalizam com os motetos de Bach.


terça-feira, 6 de outubro de 2015

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - VII (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - VI (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - V (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - IV (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - III (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - II (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - Um barroco bachiano no tempo do Romantismo - I (ver dados no Youtube)

Mendelssohn - 6 Organ Sonatas Op.65 (ver dados no Youtube)

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Bach: Passacaglia & Fugue in C minor - Stokowski in Germany

Bach/Stokowski "Chaconne D minor" Leopold Stokowski

Glenn Gould - Bach - BWV 891 - Prelude and Fugue


Glenn Gould plays Bach Fugue in B Minor BWV 951


Glenn Gould - Bach Little Fugue BWV 961 in C minor


Mendelssohn: 6 Preludes & Fugues op. 35 (Siegfried Stöckigt - 1979 vinyl...


Bach-Stokowski 'Little Fugue' - Bernstein introduces the Maestro


Michel Block Plays Liszt: Bach Piano Transcriptions


The Kammerorchester Tibor Varga plays Mozart Adagio und Fugue KV 546 - 1963


sábado, 1 de agosto de 2015

A Sinfonia de Hans Rott e as seis de Erkki Melartin


C. N.

1) O austríaco Hans Rott (1858-1884) enlouqueceu e faleceu muito jovem. Mas fora o melhor aluno de Anton Bruckner, e a única sinfonia que nos deixou, bela e surpreendente para alguém tão jovem, é o verdadeiro elo de ligação entre a arte sinfônica de Bruckner e a de Mahler. Nas sinfonias deste último, que admirava muito a Rott e lamentou muito sua perda, veem-se aqui e ali claras referências à sua Sinfonia.
2) São belas as seis sinfonias do finlandês Erkki Melartin (1875-1937). Três delas (a Primeira, a Terceira e a Sexta) são de fulcro bruckneriano, conquanto a Sexta seja antes de feição mahleriana. E, com efeito, a Terceira e a Sexta podem contar-se entre as mais conseguidas de todos os tempos.
Abaixo, enlaces para estas seis sinfonias.
   

A bela "Missa n. 2, em E menor", de Anton Bruckner


sexta-feira, 31 de julho de 2015

As sinfonias de Richard Wetz e as de Franz Schmidt


C. N.

Tanto o alemão Richard Wetz (1875-1935) como o austríaco Franz Schmidt (1874-1939), ainda que mais o primeiro que o segundo, foram epígonos de Anton Bruckner. Não o dizemos, porém, no sentido pejorativo da palavra epígono (‘mero imitador’), mas no de ‘discípulo ou continuador’. Entre um discípulo ou continuador e seu mestre, há verdadeira comunidade de intenção, e, com efeito, se Wetz e Schmidt reproduzem de algum modo mas talentosamente os cânones da arte sinfônica de Bruckner, não há de ser senão porque comungam de tais cânones. Há aqui, no entanto, um aparente paradoxo, que decorre do próprio caráter da música (como se explica em As Artes de Belo: Imitação e Fim, a obra de cuja escrita agora nos ocupamos): o que mais estritamente se mostra epígono de Bruckner, ou seja, Wetz, não comunga do cristianismo do mestre austríaco, do qual todavia comunga de algum modo Schmidt. Com efeito, o pensamento de Wetz é de fundo gnóstico, ainda que o compositor, salvo engano, não se filiasse a nenhum grupo tal; enquanto o de Schmidt é de fundo cristão, como se diz em A música majestosa de Franz Schmidt e em “O Livro dos Sete Selos”, a obra-prima de Franz Schmidt.
Como seja, são magníficas as sete sinfonias a que se dá enlace abaixo. Ousamos dizer que o são mais as de Wetz, talvez justamente por se aproximarem mais da escrita bruckneriana. E a pergunta de por que estes dois grandes compositores – talvez os melhores do século XX, junto com Arvo Pärt – foram e são tão injustamente esquecidos tem resposta fácil: Wetz, talvez em razão de seu mesmo pensamento gnóstico, filiou-se ao partido nazista, enquanto a Schmidt se acusou de colaboração com o regime hitlerista (acusação fundamentalmente falsa, como se mostra nos artigos a que remetemos acima). Mas nada na arte sinfônica de Wetz deixa transparecer seu gnosticismo nem sua filiação partidária, assim como nada na de Schmidt deixa transparecer seu pensamento político.
Entreguemo-nos pois à fruição de tão altos cumes da melhor arte do século XX.
Observação 1. Enquanto, por “nazistas” (as aspas referem-se a Schmidt), se devota ao esquecimento a artistas da estatura de Wetz e de Schmidt, eleva-se ao panteão do mundo a artistas como o russo Shostakovich (1906-1975), apesar de sua colaboração com o regime bolchevista, ou como o finlandês Sibelius (1865-1957), apesar de seu pertencimento à maçonaria. Ambos, o russo e o finlandês, eram talentosos (de notar, especialmente, os 24 Prelúdios e Fugas, opus 87, do primeiro, e a Quinta Sinfonia do segundo); perdem-se todavia em concessões não só à cacofonia moderna, mas, no caso de Shostakovich, também aos ditames do realismo socialista, e, no de Sibelius, a um nacionalismo grandiloquente e extravagante. São artistas inferiores a Wetz e a Schmidt.        
Observação 2. O sentido pejorativo da palavra epígono torna-se o principal com o Romantismo e seu culto ao gênio individual. Até então, todos os artistas se consideravam de algum modo epígonos de um mestre ou de vários.  


terça-feira, 21 de julho de 2015

Gustav Mahler - Symphony No. 5 - Lorin Maazel


C. N.

A Quinta Sinfonia de Mahler tem de grande sobretudo o primeiro movimento (Marcha Fúnebre: A passo comedido, como um cortejo) e o Adagietto, o único movimento sinfônico mahleriano em que só atuam as cordas. Em outro escrito, porém, dissemos que o último movimento desta sinfonia (Rondò-Finale: Rápido — Rápido jocosamente: Fresco) não está à altura do restante da obra  e assim é por sua mesma indefinição. Com efeito, o último movimento da Quinta de Mahler tem algo do último da Quinta de Bruckner: trechos fugados, coda com determinado modo de recapitular temas (na sinfonia de Mahler especialmente o tema do Adagietto), etc. Mas, antes de tudo, falta a este movimento mahleriano aquela sensação de atingimento da eternidade presente nos finais brucknerianos e que tanto maravilhava ao maestro Sergiu Celibidache, efeito conseguido por tutti que são como cúpulas barrocas – como a da basílica do Mosteiro de St. Florian, ao lado de cujo órgão está enterrado o compositor. E, para reforçar o que se quer dizer aqui, transcrevam-se as seguintes palavras de Rafael Fonseca a respeito deste último movimento mahleriano: “Alegria genuína ou forçada? Os analistas se dividem a este respeito, e alguns veem aqui um Mahler observando à distância o que é ser feliz, como se usufruir essa sensação fosse para ele impossível. Pode ser, pode ser... Mas o fato é que este movimento é de uma inquietação total. Os episódios se sucedem em espiral, comemoram e brincam. Numa conclusão surpreendente, a música entra em um redemoinho ansioso e irrefreável e some, como que retirada de cena por seu autor, sem o retumbante acorde derradeiro que uma obra dessa estatura pediria. Talvez porque a saga descrita aqui não termine neste movimento, mas tenha continuidade na Sexta” – que, como dito, e em oposição à Segunda, à Terceira e à Quarta do mesmo Mahler, é trágica.
E, afinal, o jocoso não pode ser sublime.

Mahler - Symphony No 4 - Abbado


sexta-feira, 17 de julho de 2015

Pré-venda da “Suma Gramatical da Língua Portuguesa”




















               
     Nossa Suma Gramatical da Língua Portuguesa – Gramática Geral e Avançada já está no prelo, ou seja, na gráfica. A É Realizações já está fazendo sua pré-venda. Eis alguns dos dados editoriais do livro:

Autor: Carlos Nougué
Prefácio: Desembargador Ricardo Dip
Formato: 16 x 23 cm
Número de Páginas: 608
Acabamento: Brochura
      Preço: R$ 79,90

Data prevista do lançamento em São Paulo, no excelente centro cultural da editora: 15/08/2015.
Data prevista do lançamento no Rio de Janeiro: 25/08/2015.

Marcar-se-ão outros lançamentos (em Curitiba, talvez em Belo Horizonte, etc.), e informaremos, nesta mesma página, a data precisa de todos.
De ressaltar a beleza da diagramação, o preço e tudo o mais feito por uma verdadeira editora, cujo firme empenho na divulgação das artes liberais há de merecer todo o nosso apoio e todo o nosso louvor.

Texto da primeira orelha

Alguns hoje se empenham com afinco em desacreditar a Gramática, porque, segundo eles, as línguas não necessitam de regras que as constranjam: basta deixar que sigam seu curso, livremente. Mas isso é falso, porque, deixada à deriva, sem regras que a dirijam, a língua seria como as águas de um rio, puro fluxo, ao ponto de não poder falar-se duas vezes como a mesma língua. É parte intrínseca de toda e qualquer língua ter regras; é o dique sem o qual ela fluiria sem nenhuma permanência e os próprios defensores da tese da língua sem regras nem poderiam propor sua tese: simplesmente porque nem sequer haveria nenhuma língua.
As línguas, sim, corrompem-se, mas menos impetuosamente quando, em meio a uma verdadeira civilização universal (ou tendente à universalidade), há a escrita com sua arte própria e especial, a Gramática. Mais ainda, neste último caso podem tender até a grande estabilidade: foi o que se deu com o latim ao tornar-se língua altamente normatizada e ordenada à Ciência e à Sabedoria.
Suma Gramatical da Língua Portuguesa – Gramática Geral e Avançada, de Carlos Nougué, não só reafirma a necessidade imperiosa da Gramática e seu caráter essencialmente normativo, mas aprofunda-se solidamente em seus pressupostos teóricos, a fim de fazer frente eficaz tanto aos numerosos ataques que lhe movem como às próprias debilidades da tradição gramatical. Só o faz, porém, para melhor inserir-se nesta mesma tradição. Segue nisso a palavra do gramático venezuelano Andrés Bello: “A prevenção mais desfavorável [...] é a daqueles que julgam que em gramática as definições inadequadas, as classificações malfeitas, os conceitos falsos carecem de inconveniente, desde que, por outro lado, se exponham com fidelidade as regras a que se conforma o bom uso. Eu creio, contudo, que essas duas coisas são inconciliáveis; que o uso não pode expor-se com exatidão e fidelidade senão analisando os princípios verdadeiros que o dirigem, porque uma lógica severa é indispensável requisito de todo e qualquer ensino”. 
Como diz o desembargador Ricardo Dip em sua apresentação, a Suma Gramatical da Língua Portuguesa é obra teórico-prática não só de um gramático e professor experiente, “mas também de um filósofo prudente, de alguém acostumado a leituras árduas e que não se deixa abater pelas tempestades periféricas: vai às profundezas, em busca de fundamentos últimos aos quais possa discretamente arrimar sua arte regulativa, a da palavra”.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Gustav Mahler e sua monumental "Terceira Sinfonia" (aqui por Claudio Abbado)


Outras anotações acerca da obra sinfônica de Mahler


C. N.

1) Ao contrário do que se dá nas sinfonias de Bruckner, em todas as de Mahler há algum movimento burlesco ou até grotesco. Mas em suas melhores sinfonias (a Segunda, a Terceira e a Quarta, como dito anteriormente) isso serve de escalão que, superado, leva à redenção final.* Na Quinta não se tem certeza disso; Leonard Bernstein afirmava que se trata de uma paródia de redenção religiosa, mas preferimos suspender o juízo. Da Sexta em diante, porém, perde-se sem dúvida aquela escala ascensional para a redenção. Na própria Sexta, porque termina em trágico; na Sétima, porque toda esta sinfonia, por sua própria cacofonia geral, é uma como esfinge; na Oitava, porque se tem, sim, ascensão, mas ao “céu” gnóstico; na Nona, porque termina em adeus melancólico e demasiado terreno, em parte inspirado em Beethoven.
2) Note-se, ademais, que na Terceira Sinfonia o texto de Nietzsche também serve de mero escalão, que se superará.
3) Na Quarta Sinfonia, o texto final, sobre a vida eterna, é inteiramente pueril. Não se exija dele nenhum rigor teológico.
4) É inigualável a como marcha fúnebre que constitui o primeiro movimento da Segunda, da Quinta e da Sexta Sinfonia de Mahler. De marcar-nos para sempre a memória musical.
5) Diga-se por fim que, conquanto se contasse entre os admiradores e herdeiros de Bruckner, Mahler não chegou a entendê-lo perfeitamente, razão por que, ao reger as sinfonias de seu amigo austríaco, as deformava de diverso modo. E isto talvez se devesse, em parte, ao dito por Lauro Machado Coelho: “Enquanto para Bruckner Deus era a solução, para Mahler era [de algum modo] um problema”.  Mas insistimos em que tal não aparece na Segunda, na Terceira e na Quarta Sinfonia deste.




* Assim como, mutatis mutandis, o gélido Scherzo da Nona Sinfonia de Bruckner serve de escalão que, superado, leva primeiro à morte e por fim ao umbral da eternidade.

Gustav Mahler -- Symphony No. 2 ('Auferstehung') (por Mariss Jansons)


Ecos do Livro de Jó: Gustav Mahler e sua impressionante "Segunda Sinfonia" ("Ressurreição") (aqui por Claudio Abbado)


quarta-feira, 15 de julho de 2015

As sinfonias de Gustav Mahler


C. N.

O tcheco-austríaco Gustav Mahler (1860-1911) foi o maior dos herdeiros de Anton Bruckner; mas sua produção sinfônica, ao contrário da de Franz Schmidt e da de Richard Wetz, é muito desigual. Judeu converso – de conversão que, ao contrário do que comumente se diz, julgamos sincera, ainda que imperfeita –, seus pontos altos sinfônicos (a Segunda, a Terceira e a Quarta Sinfonia) refletem de algum modo tal conversão. Mas também são belas sua Quinta e sua Sexta Sinfonia, apesar de o último movimento de ambas não estar à altura do restante. A Primeira Sinfonia é como um ensaio. A Sétima, como se verá (publicaremos as nove que o compositor completou), é, perdoe-se-nos a crueza, insuportável em sua cacofonia; a Oitava é esquizoide: suas duas partes não se conjugam adequadamente entre si (a primeira parte, cujo enorme coral canta o hino Veni Creator Spiritus, tem uma das mais belas e mais longas fugas da história da música; a segunda parte, que termina com o gnóstico goethiano do Eterno Feminino, é antes operística, e, sem ser cacofônica, não alcança a altura da primeira parte); a Nona, por fim, um adeus demasiado humano à vida, não deixa porém de ter alguma beleza. 
     OBSERVAÇÃO. A Segunda, a Terceira e a Quarta Sinfonia terminam em canto. Nisso Mahler seguia a Beethoven e sua Nona Sinfonia e a Bruckner e seu desejo de que sua Nona se completasse com seu próprio Te Deum

Fique-se hoje com a Primeira Sinfonia de Mahler.        


sábado, 4 de julho de 2015

Bruckner - Symphony No 8 - Celibidache - Münchner Philharmoniker


A “Oitava Sinfonia” de Bruckner – outro monumento musical


C. N.

O regente romeno Sergiu Celibidache considerava a Oitava Sinfonia de Bruckner o ápice da arte sinfônica. Talvez tivesse razão. Como quer que seja, é de notar nela o seguinte.
1) É a mais extensa sinfonia de Bruckner, mas, apesar disso, é de todas aquela cujos movimentos mais afinidade ou conexão (melódica, harmônica, etc.) têm entre si, no que quase se equipara à Quarta Sinfonia de Franz Schmidt, de apenas um movimento.
2) Não é tanto como a Sétima uma como oração, senão que, talvez ainda mais que a Quarta, a Quinta e a Sexta, lembra, por um lado, as trombetas do Antigo Testamento e desenha perfeitamente, por outro, antecipando a Nona, a épica que vai do surgimento de um homem no ser à sua chegada feliz à eternidade. Para tanto, como na Nona, ajuda muito a inversão de ordem entre o Scherzo e o Adagio (pela primeira vez em Bruckner este vem em terceiro e aquele em segundo).* Voltaremos a falar disto ao tratar a Nona do nosso compositor.
3) A explicação que, por pressão de amigos que queriam ajudá-lo a fazer da Oitava um êxito de público, Bruckner aceitou dar da Oitava (como já o aceitara com respeito à Quarta) é pueril e nada tem que ver com sua música, que, com efeito, está muito acima de efêmeros sucessos políticos, etc.
Para muito mais sobre a Oitava de Bruckner, vide A “Oitava Sinfonia” de Bruckner (e um vídeo com Karajan e a Filarmônica de Viena interpretando-a) e o vídeo da próxima postagem.




*   Quem o usou pela primeira vez foi Beethoven (e Bruckner se inspirou diretamente nele), esse compositor genial mas cuja genialidade se perdeu para o dionisíaco, para o apaixonado, para a glorificação do homem. Com efeito, na primeira execução de sua Quinta Sinfonia o público, na saída, estava completamente desnorteado, como egresso de um culto extático: não sabia sequer onde tinha deixado o chapéu ou o sobretudo. Quanto à sua Sétima, não a quis executar a orquestra contratada: “Está louco Beethoven”, disse o spalla diante do ritmo desenfreado da peça. E, quanto à sua sinfonia mais ambiciosa, a Nona (de início estupendo, que influirá em Bruckner para o início de sua Nona, e de Adagio belíssimo), é, propriamente falando, o oposto de todas as sinfonias de Bruckner: enquanto estas são uma ode a Deus, a de Beethoven é uma ode ao homem – como se vê tanto pelo “Hino à Alegria”, de Schiller, cantado no último movimento, como pela mesma música que o acompanha. Não estou sozinho no pensá-lo: todas as vezes que o cineasta russo Andrei Tarkovski (o maior de todos) quis contrapor em seus filmes o homem terreno ao homem ordenado a Deus interrompia bruscamente o movimento final da Nona de Beethoven para substituí-lo ou por uma peça de Bach ou por “sons do sobrenatural” (como em Nostalgia ou em Stalker). – Quem se valerá magnificamente da invenção beethoveniana de terminar uma sinfonia com canto será Mahler (em suas três melhores sinfonias, a Segunda, a Terceira e a Quarta, da quais falaremos nesta página).  

quarta-feira, 24 de junho de 2015

A arte sinfônica de Anton Bruckner: o cume da música instrumental


C. N.

 

Eu havia anunciado uma série (“A Sinfonia”) para esta página em que se trataria, uma a uma, a produção sinfônica dos maiores compositores. Não me será possível, todavia, levá-la a efeito, justo porque estou escrevendo o longo Das Artes do Belo: Imitação e Fim, que espero se lance no fim deste ano para fazer de algum modo par com a Suma Gramatical da Língua Portuguesa (vide “A Suma Gramatical da Língua Portuguesa” será lançada em julho de 2015 pela editora É Realizações). Pois bem, em Das Artes do Belo se trata extensamente cada uma destas artes, e na seção atinente à Música se trata muito especialmente a sinfonia, de modo ainda mais aprofundado do que se faria na referida série.

Não obstante, para que de algum modo não se frustre o anunciado para esta página, principiam-se a publicar aqui, hoje, vídeos com as mais importantes sinfonias, a começar pelo cume da arte sinfônica: o conjunto constituído pelas nove sinfonias de Anton Bruckner. Em tais vídeos, sempre alguma ótima execução por grande maestro e grande orquestra; às vezes, para a mesma sinfonia, publicar-se-ão dois vídeos, para permitir comparação entre a concepção diversa dos regentes.

Abaixo, pois, a Primeira Sinfonia de Anton Bruckner e links para artigos desta página sobre o compositor. Um esclarecimento prévio: a produção sinfônica de Bruckner, toda ela superior, divide-se porém em três fases: na primeira estão a Primeira, a Segunda e a Terceira Sinfonia; na segunda, a Quarta, a Quinta e a Sexta Sinfonia; e na terceira, enfim, a Sétima, a Oitava e a Nona Sinfonia. Na primeira fase, Bruckner como que vai forjando seus modos e meios sinfônicos; na segunda, já os aplica admiravelmente (especialmente na Quinta); na terceira, porém, atinge com eles o cume referido no título desta postagem. Não há, com efeito, sinfonia como estas três – perfeitas poieticamente, perfeitamente épicas, e perfeitamente ordenadas à Eternidade.    

 

Bruckner: música maior e católica em meio ao romantismo


“Bruckner era ‘demasiado’ católico para os moldes do Romantismo musical”




segunda-feira, 15 de junho de 2015

J.S. Bach "Italienisches Konzert" BWV 971 - Albrecht Mayer - Oboe


Bach Double Violin Concerto - Yehudi Menuhin And David Oistrakh (sound HQ)


Chaconne BWV 1004 by J S Bach Transcription by Andres Segovia with Sheet...


J.S. Bach Chaconne - Yehudi Menuhin 1956


Bach Chaconne for Four Cellos


Johann Sebastian Bach, Chaconne aus BWV 1004 (bearbeitet für Violoncello)


    Esta beleza suma foi composta por Bach em honra da esposa recém-falecida. Note-se que não há repetição alguma de frase ou trecho melódico. Escrita originalmente para violino, adequou-se perfeitamente ao violoncelo pelas mãos deste jovem e talentoso instrumentista. 

Alessandro Marcello, Concerto in re minore per oboe e orchestra


segunda-feira, 8 de junho de 2015

Du Pre Dvorak Elgar Boccherini Haydn & much more.wmv


DVORAK Cello Concerto in B minor 
ELGAR Cello Concerto in E minor 
HAYDN Cello Concerto 1 in C major 
Cello Concerto 2 in D major 
BOCCHERINI Cello Concerto in B flat major 
PARADIS Sicilienne 
SCHUMANN Three Fantasy Pieces 
MENDELSSOHN Song Without Words in D major 
FAURE Elegy in C minor 
BACH J S Adagio BWV564 
SAINT-SAENS The Swan 
FALLA Jota 
BRUCH Kol Nidrei 
BEETHOVEN Archduke Trio / Allegro 
BRAHMS Cello Sonata 2 in F major/ Allegro 
FRANCK Sonata in A/ Allegretto